Pular para o conteúdo principal

Enquanto você dormia parte 4


Um pouco de água escorreu pelo pescoço da moça, que olhou para baixo, dando-se conta de sua nudez. Com um grito, puxou a coberta de modo desajeitado.
Percebendo o embaraço dela, Sion ajudou-a a levar a coberta até o pescoço. Sentou-se na poltrona que ainda estava ao lado da cama e, pela primeira vez, não encontrou palavras para falar. Ficou observando como ela reagia aos sons ao seu redor, até que pousou os olhos nas mãos da jovem, que seguravam a coberta.
Ao vê-la tremendo, Sion a abraçou delicadamente.
— Shh, tenha calma...
— O que aconteceu comigo? O que... O que faço aqui?
— Você esteve doente.
Por várias vezes Sion pensara no que lhe diria quando desper­tasse. Como contar que perdera vários meses de sua vida?
— Doente? Não entendo. Onde está Jassy?
Certamente ela se referia à velha senhora que fora encontrada morta nos destroços da carruagem.
— Onde está Jassy? — a jovem repetiu.
Sion precisava dizer alguma coisa, pois ela ficava cada vez mais agitada.
Subitamente, a porta se abriu e a sra. Turlow entrou no quarto. Quando viu os dois quase abraçados, deixou cair no chão a bandeja que carregava com o almoço, espalhando comida e pratos em todas as direções.
— Os santos nos ouviram! — exclamou a governanta, ajoelhando-se. — Isso é um milagre!
Com muito esforço, a mulher se levantou e foi até a cama, empurrando Sion.
Oh, minha pequena ovelha. — A senhora a abraçou. — Não se assuste, pois somos seus amigos.
Notando que a garota estava coberta apenas por um fino lençol, a mulher lançou um olhar de censura a Sion, e mandou que saísse do quarto.
Confuso, ele permaneceu onde estava.
— Saia! — a sra. Turlow gritou.
— Por quê?
— A coitadinha quase não está vestida para recebê-lo, milorde.
— Receber-me? Ficou louca? Estou cuidando dela há semanas. Já vi tudo que há para ver sob esse lençol, acredite-me.
Ao ver o olhar assustado da pobre moça, Sion teve vontade de morder a língua.
— Qual é o seu nome? — ele perguntou. Silêncio.
— Seu nome? — repetiu, carinhosamente. Nenhuma resposta.
— Estou muito cansada — a garota enfim murmurou, tentando fugir do abraço da governanta.
O marquês e a criada olharam-se, frustrados. Depois de mais alguns minutos, a paciente se recostou confortavelmente nos tra­vesseiros.
E apenas Sion a ouviu suspirar quando fechou a porta do quarto.
Assim que a porta se fechou, Katherine abriu os olhos. Estarei ficando louca? pensou.
Com muita dificuldade, ergueu um braço, olhou para a mão e estranhou. Seu braço e sua mão estavam finos: Não podia ser ela. Afundou as unhas na mão e sentiu dor. Não estava sonhando. As unhas que sempre haviam sido curtas agora eram longas.
Estaria em Bridden? Finalmente enlouquecera, confirmando a previsão de seu pai?
Tocou as maçãs do rosto, e sentiu-as protuberantes. Olhou ao redor do estranho quarto. Onde estava Jassy? Não conseguia se lembrar. O homem desconhecido lhe dissera alguma coisa? Ele devia ser médico.
Ao acordar novamente, Katherine percebeu que continuava em um lugar estranho. Virando a cabeça, deu com o olhar escuro do mesmo homem da noite anterior, de novo sentado confortavel­mente na grande poltrona ao lado da cama. Teria ela feito algo errado? Quem era aquele homem? Onde estava seu pai? E seu marido?
Sem saber como agir, voltou a fechar os olhos. Estava cansada demais para lidar com aquele estranho. Tudo o que desejava era dormir outra vez.
Sion franziu o cenho ao notar que sua Bela Adormecida fechara os olhos como que para ignorá-lo.
— Sei que está acordada, e agradeceria se me concedesse alguns minutos do seu tempo, se puder. Prometo não falar além da conta.
Depois de alguns momentos de relutância, ela abriu os olhos e o fitou.
— Obrigado.
Katherine olhou fixamente para Sion. Sempre fora cautelosa em sua vida, e assim ficara preparada para o pior. Ele era muito bonito, admitiu impassível. Não gostava de homens bonitos. Na verdade, não gostava de homens. Contudo, os olhos negros dele a olhavam com amabilidade. Os homens eram capazes de ser amá­veis? Não... Eram definitivamente seus inimigos, e nunca confiaria neles.
—Tem alguma lembrança do que aconteceu com você? — Sion perguntou, com gentileza.
— Não.
— Qual é seu nome?
Se o desconhecido não sabia seu nome, então ela não estava em Bridden. Se não a conhecia, isso significava que seu pai não sabia onde ela se encontrava. Se revelasse seu nome, o homem avisaria seu pai? Que pergunta estúpida: é claro que sim!
O simples pensamento de ter que voltar ao castelo Camden a fez gelar.
— Eu... Eu não sei — Katherine mentiu os olhos baixos, sem coragem de enfrentá-lo.
Sion franziu o cenho, e a jovem teve medo dele.
— Você não sabe o próprio nome?
— Por favor, posso ver Jassy, minha governanta? Ela está bem? Observou que o estranho ficou impassível, e começou a tremer.
Alguma coisa acontecera a Jassy.
Sion afastou o olhar por um breve momento e, suspirando, disse lentamente:
— Sinto muito, minha querida, mas a velha senhora foi encon­trada morta.
— M-morta?
— Houve um acidente com a carruagem.
Katherine lembrou-se da tempestade, da carruagem virando, de Liam. Lágrimas embaçaram sua visão.
— E Liam?
— Liam?
— Meu cocheiro.
— Sinto muito, não sei nada dele.
Katherine fechou os olhos e virou o rosto. Sion sentiu pena, no entanto, como a jovem podia lembrar-se dos nomes dos criados e não se recordar do próprio nome? Bem... certamente aquela não era a hora propícia para forçá-la. A moça precisava de tempo e privacidade para entender o que havia acontecido.
Sion levantou-se, e notou que além de triste a garota estava assustada.
— Vou deixá-la em paz. Minha governanta, a sra. Turlow, lhe trará o jantar logo. Por favor, fale com ela se precisar de algo.
Esperou que a bela jovem dissesse alguma coisa, mas Katherine apenas o fitou. Era óbvio que o temia. Sion até desejou que ela fosse a Bela Adormecida novamente.
Mas, dormindo ou acordada, aquela mulher era um mistério que desvendaria, nem que fosse a última coisa que fizesse na vida.

Comentários

  1. \0/ Nossa, essa estória é realmente boa!! Pena que terei de esperar uma semana pra mais um pouco dela, rsrs. Obrigada Annie por cumprir sua palavra e postado no dia, rsrs. Bjuss e inté o proximo cap!!!!

    ResponderExcluir
  2. Que bom que você tah gostando eu adorei!!!! Por isso que estou compartilhando com vocês.
    bjux cherrie!!!

    ResponderExcluir
  3. Hummm, num dá pra elogiar que o caldo entorna né kkkkkk Annieeeeeee terça-feira foi ontem, cadê a continuaçãoooooooooooo????kkkk

    ResponderExcluir
  4. Amiga eu avisei no twitter, o meu pc não tava entrando na net, não sei o que houve, mas não dava pra entrar por isso que não postei, até hoje de manhã eu tava sem net. bjux

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha do livro: Ágape.

O livro do Padre Marcelo Rossi nos fala sobre o amor divino, o mais puro e livre, incondicional. Livre de segundas intenções, de julgamentos. Ele nos mostra que o amor ao próximo, nos aproxima a cada dia mais de Deus, visto que, amando ao próximo como a nós mesmos, estamos amando ao Pai. Nos fala da criação do universo, das trevas à luz. O Padre enfatiza os textos da Bíblia, o livro sagrado, que contam a trajetória terrena de Jesus, seus ensinamentos e o julgamento pelo qual passou, para que o amor de Deus pela humanidade fosse provado. Amor este que não é capaz de discriminar-nos pela cor da pele, pelo sexo, religião e etc., mas que já nasce com o ser humano, sendo ele, naturalmente capaz de amar e não de odiar. O ódio que, infelizmente, acontece no coração do homem, é fruto de ações mesquinhas. Mas, temos como missão, ensinar aos nossos irmãos o amor como verbo de ação: amar. O Padre Marcelo nos fala também sobre a morte como passagem para a vida eterna. E que é na vida que temos qu…

Enfim... Crismada

Este foi um momento muiito importante pra mim, e pra vocês entenderem um pouco sobre ele vou falar um pouco sobre este sacramento da igreja católica.
Confirmação ou Crisma
A finalidade dos Sacramentos é para tornarmos um sinal de testemunho de vida; é para identificar-nos cada vez mais com Cristo. Não é para só sentirmos bem, pagar ou cumprir promessa.
Por que recebemos o Sacramento da Crisma, chamado também Confirmação? Comumente dizemos que a Crisma no faz soldados de Cristo, que confirma o Batismo, Sacramento adulto que dá responsabilidade. Uma só coisa a Igreja nos garante sobre este Sacramento. A crisma nos concede com
 plenitude o Espírito Santo. Qual o sentido do Sacramento da Crisma? Podemos dizer o seguinte: Todos os 
Sacramentos são Sacramentos de Cristo, mas um deles, a Eucaristia, é por excelência o Sacramento de Cristo. Assim, todos os Sacramentos são do Espírito Santo, mas um deles, a Crisma ou Confirmação, é por excelência o Sacramento do Espírito Santo.
Para melhor compreendermo…