Pular para o conteúdo principal

O desaparecimento de Miollnir

Ao contrário do que eu imaginava, a mitologia nórdica é bem divertida. Tive a curiosidade de ler esses dias uns contos dessa mitologia e me apaixonei pelas ilariantes aventuras de Thor e Luke. Tanto que decidi compartilhar com vcs.

O desaparecimento de Miollnir

Thor, deus do trovão e filho de Odin, despertou, certa manhã, com uma estranha
sensação: a de que lhe faltava algo muito importante. "Que vazio é este, que tanto me
angustia?", perguntava-se o deus desde o instante em que abrira os olhos.
Esta desagradável sensação prolongou-se pelo resto da manhã até que o deus
finalmente, deu-se conta do que era, quando encontrou um bilhete justo no lugar onde
costumava guardar seu martelo Miollnir.
Caro Thor: caso deseje retomar a posse de seu poderoso martelo,
favor entrar em contato comigo, pois eu o escondi sob as profundezas da
terra, em um local ignorado. Estou aberto a toda negociação. Assinado:
Thryn, da maravilhosa raça dos Gigantes.
- Loki! Loki! - bradou Thor, exigindo a presença do trapaceiro deus.
Em instantes, o deus de longos cabelos lisos e escarlates estava à sua frente.
- O que houve, poderoso Thor? - disse Lotei, assustado.
- Aquele maldito Thryn furtou meu martelo! - disse Thor, quase possesso. - Quero
que vá, imediatamente, até ele para saber quais são os termos da sua proposta para
efetuar a devolução de Miollnir. Você é descendente daquela raça maldita e saberá
engambelá-lo melhor do que eu. Caso contrário, eu mesmo irei até onde este verme se
esconde e o esmagarei!
Antes de partir, Loki foi até Freya, a deusa do amor, para lhe pedir um favor.
- O que quer aqui a esta hora? - disse ela, mal-humorada e com cara de sono, pois
acordava sempre muito tarde.
- Preciso que você me empreste o seu casaco de pele de falcão para cumprir uma
importante missão para Thor - disse Loki.
- Aonde vai?
- Houve um terrível furto!
- Furto...? Que furto?
- O gigante Thryn furtou o martelo de Thor!
- Que horror! - disse a deusa, tornando-se rubra. Depois, indicando o local onde
guardava seu casaco, completou: - Vamos, pegue-o e trate logo de recuperar a arma do
pobre Thor!
Freya sabia muito bem que, sem seu martelo, Thor não poderia defender Asgard de
um eventual ataque dos gigantes, seus tradicionais inimigos.
Loki envergou o casaco e se metamorfoseou, logo, em um elegante falcão de penas
rubras como o fogo. Assim travestido, percorreu as amplidões que levavam à morada dos
gigantes, em Jotunheim. Após circular por vários locais, acabou por descobrir a caverna
onde se escondia o temível Thryn. Em instantes, pousou na entrada do gélido covil e
disse com a voz mais nobre possível:
- Ó Magnânimo Thryn, vim buscar o martelo do Magnífico Thor!
- Entre logo, miserável Loki - disse uma voz algo displicente.
A caverna era toda decorada por dourados e polidos escudos, que refletiam as luzes
das tochas, a tal ponto que quase se cegava lá dentro.
- Nossa, quanta luz!... - exclamou Loki, pondo a mão sobre os olhos.
- É que sou meio míope e gosto de tudo às claras - disse o gigante, refestelado em
seu esplêndido trono.
- Se gosta de tudo às claras, diga-me, logo, onde está Miollnir e retornarei para
Asgard com os seus melhores votos.
- Você retornará para Asgard - disse o gigante, ajeitando melhor o fantástico traseiro
sobre a almofada de veludo escarlate -, mas é para me trazei- a adorável Freya em paga
do brinquedinho de Thor, que, certamente, levará de volta depois.
Mas, Loki não seria Loki, se ousasse sair da presença do gigante sem lhe dar uma
resposta à altura.
- Perdão, poderoso gigante - disse ele, com o ar tão sereno quanto possível -, mas
jamais poderá usar o martelo sem as luvas de ferro de Thor.
- Nem eu, nem ele - respondeu, secamente, o gigante. - Não me obrigue, agora, a
repetir tudo o que já lhe disse.
Loki retornou rapidamente e logo estava em Asgard diante dos deuses. Depois de
comunicar os termos da exigência de Thryn, Loki teve de escutar os gritos furiosos da
deusa do amor (ou seja, do sexo), que em hipótese alguma admitia a idéia de ir se juntar
ao asqueroso gigante. Thor, a seu turno, também não admitia perder a mais bela das
deusas, enquanto que Odin, o deus supremo, bateu no chão diversas vezes com sua
lança Gungnir, soltando várias imprecações contra o pérfido. Assim, estiveram por um
bom tempo, até que Loki teve uma idéia que julgou excelente.
- Eis o que faremos - disse ele, tomando a palavra. - Thor e eu iremos até a morada
do gigante travestidos de mulher; ele, de Freya, e eu, de sua escrava.
- Está louco? - disse Thor, brandindo seu punho na direção de Loki. - O que dirá de
mim aquela raça degenerada dos gigantes, quando descobrirem que ando por aí vestido
de mulher?
- Dirão, poderoso Thor, que você é um deus muito inteligente e que recuperou seu
martelo após haver engambelado todos eles! - disse Loki, recorrendo ao eficientíssimo
recurso do apelo à vaidade.
O deus do trovão ainda relutou um pouco, mas não descobrindo outro recurso,
acabou por ceder.
- Deixe-me ver seus vestidos - disse o deus à Freya, meio desenxabido.
Depois de ele e Loki terem passado em revista o infinito guarda-roupa da deusa da
fertilidade, acabaram por escolher duas peças menos chamativas. Em seguida, tiveram
seus rostos pintados por uma pesada maquiagem para ocultar a sombra que suas barbas
raspadas haviam deixado.
- Vamos de uma vez! - disse Thor, que decidiu sair durante a noite em sua
carruagem puxada por duas cabras, para não chamar muito a atenção.
Aquela foi uma viagem muito constrangedora. Um silêncio desconfortável
acompanhou-os durante toda a viagem até que, finalmente, chegaram aos domínios do
gigante Thryn.
- Oh, Freya adorável! - exclamou o gigante, que não era lá muito bom das vistas -
Você veio, então! E esta donzelinha encantadora, quem é?
Loki baixou os olhos, como uma boa serva.
- É minha escrava - disse Thor, dando um tapa na cabeça de Loki. - É meio fraca
dos miolos. Mas, falemos de nós, audaz gigante!
- Oh, sim, falaremos muito de nós! - disse Thryn, levando Thor e Loki para seus
amplos salões. Ali, um magnífico banquete de núpcias estava preparado para recepcionar
aquela que imaginavam ser a deusa do amor e sua bela escravinha. Os dois foram logo
instalados à mesa, cercados de gigantes de colossal estatura e de suas respectivas
esposas. Thor e Loki foram servidos regiamente: o deus do trovão, que trazia uma fome
tremenda da viagem, não se fez de rogado e se serviu à vontade. Pilhas de carne foram
tragadas por ele junto com oito salmões recheados de pequenas carpas e quatro barris
inteiros de hidromel, além de uma quantidade fantástica de doces, o que encheu de
assombro o seu "noivo".
- Nossa, Freya, não sabia que tinha tanto apetite! - disse Thryn, boquiaberto.
- Permita-me, poderoso Thryn, explicar-lhe o motivo - disse Loki, disfarçado de
escravinha. - É que a deusa esteve tão ansiosa estes dias que antecederam à nossa
viagem, que não teve ânimo para pôr nada entre os dentes antes de estar ao seu lado.
Thryn deu um largo sorriso de satisfação que lhe arreganhou os dentes.
- Muito bom escutar estas coisas! - disse o gigante, deliciado com aquelas palavras.
- Muito bom mesmo, assim vale a pena...!
Empolgado por aquela declaração indireta de amor, o gigante aproximou seus lábios
de Thor e tentou roubar-lhe um beijo. A "deusa", entretanto, lançou-lhe um olhar tão
furioso, que as carnes do gigante tremeram por cima dos ossos.
- Não é nada, não se assuste! - disse Loki ao ouvido de Thryn. - É apenas o
nervosismo que antecede o grande momento...
O "grande momento"! Esta expressão trouxe à imaginação do gigante um mundo de
fantasias tão sublimes que, entusiasmando-se, chamou logo um criado.
- Traga, imediatamente, o martelo! - disse ele
Um lacaio trouxe o magnífico Miollnir. Os olhos de Thor faiscaram, enquanto ele
remexia as suas saias em busca de sua luva de ferro.
- Coloquem-no entre os joelhos de Freya! - ordenou Thryn, incontinenti. - Assim,
estará simbolizada a devolução e o nosso casamento!
Um dos lacaios aproximou-se, reverentemente, e colocou Miollnir entre os joelhos da
falsa Freya.
E, aqui, começou o massacre. Tão logo Thor teve ao seu alcance a sua devastadora
arma, retirou de dentro das saias a sua mão enluvada e tomou do martelo. Com a outra
mão ergueu a mesa e a lançou de encontro à parede com pratos, talheres, sopeiras
douradas e tudo o mais.
Um alarido de medo escapou da garganta dos gigantes, quando Thor,
desvencilhando-se das suas dominadas roupas, partiu para cima dos seus adversários,
eliminando, em primeiro lugar, o seu noivo com uma poderosa martelada no crânio. Logo
em seguida, arrasou com tudo, de tal forma, que nem as gigantas ou os lacaios
escaparam de sua fúria. Terminado o massacre, subiu de novo no seu carro, junto com
Loki, e retornaram ambos para Asgard, levando consigo o martelo e sua honra
restaurada.

Bibliografia: As melhores histórias da mitologia nórdica
A. S. Franchini / Carmen Seganfredo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha do livro: Ágape.

O livro do Padre Marcelo Rossi nos fala sobre o amor divino, o mais puro e livre, incondicional. Livre de segundas intenções, de julgamentos. Ele nos mostra que o amor ao próximo, nos aproxima a cada dia mais de Deus, visto que, amando ao próximo como a nós mesmos, estamos amando ao Pai. Nos fala da criação do universo, das trevas à luz. O Padre enfatiza os textos da Bíblia, o livro sagrado, que contam a trajetória terrena de Jesus, seus ensinamentos e o julgamento pelo qual passou, para que o amor de Deus pela humanidade fosse provado. Amor este que não é capaz de discriminar-nos pela cor da pele, pelo sexo, religião e etc., mas que já nasce com o ser humano, sendo ele, naturalmente capaz de amar e não de odiar. O ódio que, infelizmente, acontece no coração do homem, é fruto de ações mesquinhas. Mas, temos como missão, ensinar aos nossos irmãos o amor como verbo de ação: amar. O Padre Marcelo nos fala também sobre a morte como passagem para a vida eterna. E que é na vida que temos qu…

Enfim... Crismada

Este foi um momento muiito importante pra mim, e pra vocês entenderem um pouco sobre ele vou falar um pouco sobre este sacramento da igreja católica.
Confirmação ou Crisma
A finalidade dos Sacramentos é para tornarmos um sinal de testemunho de vida; é para identificar-nos cada vez mais com Cristo. Não é para só sentirmos bem, pagar ou cumprir promessa.
Por que recebemos o Sacramento da Crisma, chamado também Confirmação? Comumente dizemos que a Crisma no faz soldados de Cristo, que confirma o Batismo, Sacramento adulto que dá responsabilidade. Uma só coisa a Igreja nos garante sobre este Sacramento. A crisma nos concede com
 plenitude o Espírito Santo. Qual o sentido do Sacramento da Crisma? Podemos dizer o seguinte: Todos os 
Sacramentos são Sacramentos de Cristo, mas um deles, a Eucaristia, é por excelência o Sacramento de Cristo. Assim, todos os Sacramentos são do Espírito Santo, mas um deles, a Crisma ou Confirmação, é por excelência o Sacramento do Espírito Santo.
Para melhor compreendermo…